domingo, 28 de dezembro de 2008

Urgente!

Acabei de receber um email amigo Temporão (Ministro da Saúde para quem não sabe). Ele me pediu gentilmente que parasse as comemoações de aniversário do Peristálticos. O ministério teme que por causa do contigente de textos e do tempo necessário para lê-los isso ocasionasse um suicídio em massa por inanição como ocorre com aquelas crianças coreanas que ficam jogando direto por dias e morrem. Além dos casos de hemorroidas já constatados.

Então além do que já está publicado, só serão publicadas a Retrospectiva (que não pode faltar) e também um texto ainda não definido. O resto mesmo estando já prontos será publicado ao longo do próximo ano.

Enquanto isso, para você que ainda NÃO leu, não perca tempo, sente o rabo numa cadeira bem confortável e se deleite com:

- Skmoso Begins

- Um conto de Natal

- O curioso caso do homem que dava só um pouquinho

*OBS: Se não quiser clicar nos links (afinal nunca se sabe quais vírus se podem pegar) é só descer a página e ir lendo os textos.
*OBS2:
Já que você está aqui mesmo, leia todo o resto das coisas que escrevi. Parte delas é bem legal e engraçada. Sugiro a restrospectiva do ano passado feita em janeiro. Ela está tão boa que ao ler na semana passada eu não acreditei que a tivesse escrito.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Skmoso Begins

The Priori Section

Pare!!! Se vocÊ ainda não leu Meu amigo Skmoso talvez este texto seja emoção demais. Enfim, leia aquela porra antes de ler esta porra. Bon appetit!!!



Em meus longos dois meses e três dias como Jornalista sério pode se dizer que vi de tudo o que uma pessoa poderia ver sendo feita da pior maneira possível para outras pessoas. Mesmo aquelas que não nasceram. Como aqueles fetos/embriões doentes que as mães “prometem” aos santos (católicos) com a condição de que, se recuperados, o tal pré-ser, quando finalmente se tornasse algo, viria a ser padre, freira, noviço, cônego ou ambos. Sei que parece roteiro de novela mexicana (eu realmente tirei isso de lá), mas isso não muda o fato dessas coisas acontecerem... e muito, por aqui. E claro, dependo da fé da pessoa as coisas mudam, o futuro rebento pode ser prometido para o pessoal do vudu, para os satanistas, os umbandistas, os ambientalistas, para “candomblezeiros”, maçons e até para a OAB, o que, convenhamos, seria o pior fim destes que citei. Porque aí é passagem para o Inferno na certa! Sem perdão, carta de alforria ou água benta que salve.

Mas de todos os destinos possíveis e imagináveis que uma criança pode ter ao ser salva para depois servir (ou ser) uma entidade sobrenatural nunca tinha ouvido falar, pelo menos até agora, de uma que fosse apadrinhada pelas wicca. Eles são tipo a segunda divisão (sem alusões vascaínas) dos grupos secretos que querem dominar o mundo. É mais ou menos como ser o ídolo máximo e incontestável da torcida do Avaí ou Asa de Arapiraca. E ninguém melhor do que o meu querido amigo Skminha para ser escolhido como o Messias (sem alusões a minha pessoa) dos wicca. Só mesmo este “ser” baixinho e semi-corcunda para conseguir tal façanha.

No post anterior dei uma geral na vida do jovem rapaz Skmosu, agora é a vez do seu nascimento, o momento mágico que gerou esta figura ímpar no sistema interplanetário.
Como toda boa figura naturalmente caricata, Skminha já nasce cheio de clichês ao seu redor. O primeiro deles é a preguiça, óbvio, uma vez que o jovial feto só foi veio ao mundo no limiar do décimo mês de gestação. Essa preguiça toda só tem uma explicação lógica que também vai dar em outro clichê (que surpresa!). Skmosu era um feto obeso, gordo mesmo, que não queria de jeito nenhum sair do útero de onde ele ganhava comida e calor sem ter de fazer nada, ele não tinha nem o trabalho de respirar, literalmente. E o terceiro e último grande clichê da formação e parto do bebê Skmosu é a inevitável e cruel verdade: todo gordo estupidamente preguiçoso acaba fazendo merda. E esta bendita frase não poderia estar mais correta! O que nos faz entrar na parte que não tem nem um pouco de clichê.

Acontece que baby Skma acabou por defecar dentro da placenta e, por conseguinte, no próprio líquido amniótico (o que nos dá um novo sentido para a expressão “cuspir no prato que come”), fazendo com que a pobre criança ficasse literalmente mergulhada na merda. Detalhe, isso nas últimas três SEMANAS de gravidez, o que até hoje é considerado um recorde de sobrevivência. Tendo em vista que em outros casos os fetos só duraram algumas horas. Segundo Dona Skmona que me contou essa história (as gargalhadas) no mês passado, os médicos disseram que o menino só sobreviveu graças a uma pré-disposição congênita (dah) ao contato com agentes toxicológicos, parasitários e bactericidas em geral. Resumindo, ele estava gostando e muito!

No entanto, Dona Skmona só soube deste fato depois do parto (normal, diga-se de passagem, pois o risco de uma infecção generalizada era grande). E neste ponto entram os wicca. Na consulta seguinte ao diagnóstico do que mais tarde ficou conhecido como Doença dos Skmas ou Mergulho Tailandês apareceram sete pessoas com uma oferta mais do que tentadora. Sabendo da condição de Dona Skmona (o que dá uma história a parte), a estranha organização tentou comprar o menino. Segundo eles, existia uma profecia na qual o líder deles o grande Totobola (sem alusões sonegatórias) reencarnaria num ser nascido do adubo da terra. Ou no caso, do próprio adubo.

Tentada pela oferta de 10 mil cruzeiros, mais ou menos 5 reais nos dias de hoje, a pobre mulher até pensou em dar a crianças. Porém, ela reconsiderou. Por amor, ao seu filho e pensando no dinheiro que iria ganhar vendendo os presentes do chá de bebê, ela preferiu dar uma de Madonna e “ficar com o bebê”. Além do mais ela não queria perder o bolão feito na sua casa. Sua mãe, Vovó Skma, apostou um maço de cigarro com as vizinhas o futuro das crianças. Sendo uma filha preocupada com a mãe, Dona Skmona queria que Vovó Skma, que apostou na adoção e/ou abandono na lixeira, perdesse e assim largasse o fumo.

Realmente as coisas não estavam boas para o lado dos wicca. E que eles não imaginavam que minutos antes deles abordarem Dona Skmona, ela os viu numa pose mais do que bizarra para época. Afinal, não era mais o verão do amor e nem eles estavam em São Francisco, por isso sete pessoas “abraçadas” a um árvore só podia ser coisa ruim. Ou como era costume na época dizer, “coisa de comunista”. E ela podia entregar o filho para quem fosse, para os satanistas, para os cheiradores de gatinhos e até para os auditores do imposto de renda (o que ela quase fez anos mais tarde), mas jamais deixaria seu filho com os “seguidores do barbudo rei” (não o Lula, o outro, o mais velho um pouquinho). Na verdade aquilo que ela testemunhou era apenas uma oração para o santo dos wicca, o Wiki Wiki Honolulu Kahuna, que livrou os wiccas medievais da grande enchente de 72...1472. E transformou um rio em mar um ano depois. Na verdade, ele só cavou um buraco, mas ninguém percebeu.
Mas falando em comunistas, não é que dois dias após o parto um casal tentou adotar o menino. Dona Skmona ainda estava em observação e o baby Skma na desintoxicação, que na época era feita com urânio enriquecido, quando apareceu um homem com uma barba horrível e desgrenhada acompanhado de uma mulher de camisa branca, calça jeans e óculos. Eles ofereceram uma casa em Pedra de Guaratiba pela criança. O que dona Skmona negou no ato. Confesso que fiquei confuso nesta parte e tive que perguntar porque ela não tinha aceitado. Ao que ela me respondeu, “assim que vi aqueles pentagramas vermelhos nas roupas deles, chamei logo o segurança”....
Este foi o nascimento do Skmoso. Com este ato, Dona Skmona realizou um grande gesto de amor a baby Skma e um enorme desserviço a humanidade.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Um conto de Natal

Não há melhor época do ano do que esta. Nenhum mês consegue superar dezembro. Na culinária é goleada. Rabanada, chocottone, chester, peru, pernil, tender e até algumas frutinhas para não desperdiçar. E para aqueles que estão de dieta, ou são moradores de rua, aquela sopinha sempre vem a calhar. A decoração também não fica atrás. O vermelho e o verde cintilantes como o próprio Sol imperam por toda a cidade. Às vezes acompanhados do dourado ou do prata eles se fazem presentes nas fachadas, nas paredes, nos telhados, nas calçadas e até nas privadas (papo sério!). E mais importante, o espírito natalino se instaura no coração das pessoas. No natal qualquer grupo de pessoas arranja uma desculpa para trocar pelo menos uma “lembrancinha”. São os colegas de trabalho, os amigos do bairro e da faculdade, o pessoal da igreja, os familiares, os miguxos do orkut, etc. Tem amigo oculto (ou secreto) para todos os gostos e grupos sociais, até o povo que espera o 457 todas as manhãs fez um. E como já era de se esperar deste blogueiro que vos fala, nesta época de fraternidade e paz entre as pessoas de bem nada melhor do que uma pequena historinha de dor, sofrimento e desespero para botar água no chopp dessa galera toda.

Aproveitando a ocasião hoje irei contar como foi minha viagem a Natal, no Rio Grande do Norte. E te aviso, neste post você encontrará mais angústia e aflição do que nas letras de My Chemical Romance, Simple Plan e Good Charlote juntas. Lá na ponta do País, no inconveniente Nordeste. Terra de beleza incomparável, seca implacável e gente miserável. Que deveria muito bem ter ficado com os holandeses. Se bem que ai seria um outro país, tipo Nova Amsterdam do Sul. Mais pelo menos ia ser mais barato viajar pra lá para se drogar, comer prostitutas numa manhã de quarta-feira numa pracinha infantil e praticar vários abortos (não que eu seja fisicamente capaz disso, mas uma vez em Roma...). E o melhor dessa filial Sul-americana, é não ser obrigado a ver todo o resto daquele negócio decrepito que chamamos respeitosamente de Europa.

Voltando aos tupiniquins, ou no caso aos potiguares...viajando para Natal aprendi o quão verdadeiramente cruel pode ser a expressão “padecer no Paraíso”. Pois não se enganem por este relato, a cidade de fato tem todas aquelas coisas que os programas de turismo adoram. Água limpinha – transparente de perto e azul meio topázio de longe -, uma mata verde semi virgem (como quase tudo hoje em dia) e as mais diversas maravilhas naturais, inclusive as tais dunas onde boa parte da novela o Clone foi gravada. Enfim, tudo aquilo que todo mundo está louquinho para ver...MENOS EU. Natureza definitivamente não é meu forte, principalmente praia, principalmente mata, principalmente qualquer coisa que não tenha sido feita pelo Homem e que polua para existir. Para se ter uma idéia, eu, enquanto carioca orgulhoso que sou, só fui a praia por aqui umas 5 vezes (ou menos). Três delas este ano e todas elas arrastado por amigos. Como vocês podem ver num destes postes anteriores.

Agora, para as pessoas que devem chegar a conclusão óbvia que qualquer símio retardado com um prego enferrujado na mão chegaria: então porque raios você foi lá, hein, seu estrupício?! Simples, o dever me chamou. Fui convocado a apresentar um artigo (cof, cof) que fiz em conjunto com meus colegas de iniciação científica (cof, cof), dentre os quais se inclui a Mari , no congresso nacional da instituição mais importante (?) da Comunicação Social atualmente o Intercom da Intercom (cof, cof, cof, cof, cof, cof...). Como nem são malandros, os ilustres doutores acadêmicos da Comunicação decidiram marcar um evento numa cidade litorânea, semi-paradisíaca coincidentemente na baixa temporada. Pobrezinhos, ter de viajar as custas de suas respectivas universidades (só a passagem e a diária, que claro) para um local que tem Sol e água a temperaturas ungongo agradáveis durante todo o dia. Que suplício! Mas tudo em nome da Ciência...das Humanas pelo menos (ou seriam Sociais aplicadas?).

E quem sou eu para reclamar?! Talvez a única pessoa que realmente não se importa com nada disso (isso se algum sulista infeliz teve que ir de ônibus, mas eu duvido muito disso. Se houve, minha dor não é nada comparada a dele, e quero que ele/ela saiba que suicídio não é vergonha).

Continuando este relato sádico de degradação psicológica e destruição das noções mais elementares de fé, personalidade, caráter e humanidade, agora vem a melhor parte, por assim dizer, o trajeto em si. Porque não pensem que sou algum fresco que só por causa de algumas adversidades vai ficar choramigando por 4640 caracteres, com espaço incluso (agora 4680).

Existem poucas coisas na vida que você pode dizer de verdade, de todo o coração, que são piores que a morte. Viajar num ônibus por aproximadamente 56 horas definitivamente é uma delas.

Quando você viaja representando sua universidade seja para um concurso de soletração em Esperanto ou para um centro de pesquisa com células tronco, o pessoal encarregado de pagar o negócio sempre vai arranjar o método mais barato possível para que você chegue ao seu destino. Pode até ser perigoso desde que o indivíduo chegue vivo (não necessariamente inteiro) e sobre dinheiro para a reforma do gabinete do reitor. No caso de um professor o prognóstico é um pouco melhor, porque eles tem que dar o máximo de “aulas” até o dia em que tiverem que parar. Então não compensa o camarada perder tempo no trajeto fazendo absolutamente porra nenhuma enquanto o contribuinte está pagando o salário do infeliz (o que na prática não seria muito diferente do que alguns já fazem). Contudo, quando o aluno sai para representar a universidade a coisa muda de figura. Ele tem que chegar lá, já que a participação de discentes em qualquer evento extra campus é tao importante quanto a de seus mestres, mas realmente não importa como. Por mais degradante e, principalmente, econômico que seja. Isso porque é consenso geral que gastar dinheiro com aluno é um grande desperdício, sendo melhor comprar TV`s de plasma para o hall ou então papel higiênico dupla-face perfumado para os banheiros dos funcionários.

Tendo isto em mente, os responsáveis fretaram um suntuoso ônibus com ar-condicionado, DVD player, frigobar e até cadeiras minimamente confortáveis para pessoas de até 1,80 (pena que eu tenho 1,98). Contudo, eu trocaria tudo isso por um teco-teco sujo em que as pessoas tivessem que ir sentadas em cima de gaiolas de pombos angolanos, já que ele me levaria para Natal em menos de 10 horas. Por Deus, eu pegaria até um avião da TAM partindo de Congonhas pilotado pelo John McCain (imagina azar maior que esse?).
Sei que grandes personalidades como Lula, minha mãe e até a Patricia Pilar (numa outra novela a long time ago) tiveram que fazer um trajetos similares ao meu em boleias de caminhão ou até a pé, mas isso não muda o fato de ter sido horrível para mim.

Agora você deve estar imaginando. Eita gordinho viado, no ônibus deve ter rolado a maior orgia, mas aposto que ele não deve gostar de mulher também. Não meu caro, por acaso eu sou muito fã de uma boa orgia e a julgar pelos passageiros (ou melhor, passageiras) até que uma surubinha (não o peixe) viria a calhar. Mas não. Até esse pequeno consolo (ironicamente nos dois sentidos da palavra) me foi negado. Porque num assombro de malévola criatividade, meus queridos diretores decidiram infiltrar uma espiã no busão e assim melar com a festa da galera, ou melhor, acabar com uma futura melação da galera. Imagina só tentar iniciar um rala-e-rola coletivo sem acordar a tia da secretaria. Se bem que ninguém perguntou se ela estaria interessada em se juntar a uma possível fudelança conjunta, mas tenho a leve impressão que ela recusaria. E olha que a honorável casal dupla de diretores nem precisa ter escalado a tia Vera, porque até camisinha vinha no ônibus. Qualquer celebração aos moldes da São Francisco hippie de 19NE69Grito estaria mais do que protegida (só não tinha o meu 44 GG :().

Ao invés disso, o frescão (o onibus, não seus tripulantes) honrou seu nome e durante as 56 horas de viagem só se ouvia Lisa Mineli, Whitney Houston e um ocasional proib
idão. Enfim, um pout pourri de tudo que mais prezo na música. Só faltou o tio da Mari, o Frank Aguiar. Se não bastasse a escolha infeliz de playlists o caminho em si não era muito favorável a meu gosto delicado. Na verdade, ao gosto de ninguém. Era verde para tudo quanto é lado. Na direita, na esquerda, atrás, na frente. Isso sem contar a camisa do Palmeiras que meu coleguinha de poltrona estava usando. Com tanto uniforme para escolher tinha que ser justamente a marca-texto?! Me sentia como Nicolas-Antoine Taunay no século XIX, um paisagista cercado de verdes por todos os lados em mais de mil tonalidades diferentes. Isso porque eu nem falei da Bahia, a bendita terra das oxítonas tônicas. Que aquele lugar é um saco ninguém duvida. É tanto acarajé, axé, candomblé, bafomé, que você até desaprende a falar. Sorte que a gente não parou lá (fora as vezes que a gente se perdeu ou o ônibus quebrou), a verdadeira merda da Bahia é que aquela porra é grande para caralho. É mais fácil tu atravessar o Amazonas com um barquinho de papel do que ir pela tal da BR num sei das quantas. Parece que você entra num modo de slow motion perpétuo quando você passa pela fronteira. Devia ter uma placa, “Você está na Bahiiia. Vá Dévagar”. Mas podia ser pior. Eu poderia ser um cara negro chamado Barack Houssein tentando ser presidente da nação conservadora e racista (não são necessariamente sinônimos) mais poderosa do hemisfério norte ocidental (com essa crise queria o quê?! Eu ainda fui muito legal isso sim).



Após os quase 3 mil km de um Rio a outro (de janeiro para o do norte), os quais pude contar centímetro por centímetro da minha janela (diversão na certa). Finalmente chegamos a nosso destino o infame albergue Lua Cheia que possui a infeliz alcunha de “o albergue da bruxinha”. A escolha do local fez parte de mais uma iniciativa para contensão de gastos, dessa vez, de nossa parte. Por sorte nossa, só o nome do lugar era tosco e até que a estada foi agradável. O único problema é que os albergues assim como os hotéis também tentam roubar seu dinheiro (no sentido figurado, calma). Só que numa proporção bem menor, já que eles são hoteleiros de família. Ao invés de te cobrar 400 reais por uma latinha caviar que na verdade é atum com gosto de palmito e que parece tamarindo, eles te cobram 2 reais por uma fitinha no braço de identificação no braco que custa 0,15 centavos no varejo. E o festival de overcharging se seguiu durante toda a estadia. Eram sabonetes de 2 reais, cadeados de 8,95 e por ai vai..

Como a tática da rede hoteleira é tapear divertindo, pelo menos as recepcionistas eram gostosas e simpáticas (algumas só simpáticas). O que me causou muito espanto devido a quantidade de hóspedes bêbados, irritantes e mimados (vide eu) do pseudo-hotel. Porém, o que garante mesmo o leitinho das crianças e os presentes no final do ano são os passeios que eles organizavam. Dentre os quais o passeio de bugre pelas dunas. sem dúvida o hadouken das atrações turísticas de lá. Realmente ele vale um capítulo só dele, mas como eu já estourei em muito a média de leitura inútil na internet não farei isso.

Se você é como os universitários brasileiros e gosta de emoções fortes este passeio é uma ótima opção. Nada melhor do que pagar caro (muito caro) para um paraíba safado tentar te matar de todas as maneiras possíveis e imagináveis dentro de um veículo automotor. Nem pegando o trem para Japeri com 3 mil reais dentro de uma bolsa original da louis vitton você tem tanta adrenalina. Além disso quase me afoguei em médio-mar. Foi quando descobri que não é nada legal perceber dentro d’água que você não consegue boiar, nem mesmo usando aqueles coletinhos super cafonas.

A noite, acompanhei meus professores (e a galera do mestrado) em conversas de mesa de bar. E ouvi deles coisas que me deixaram chocado e estarrecido. Mas, acima de tudo isso, descobri que ir a um congresso pode ser uma tarefa muito desgastante se você pretende de fato assistir ao congresso.

Ah, a volta para casa foi igualmente tediosa. Eu até inventei uma greve de fome para ver se o motorista ia mais rápido. Acabei perdendo 12 quilos.
------------------------------XOXO-----------------------------

The Post Scriptum section


Este foi o monstruoso relato da monstruosa viagem a Natal.



*José Messias é um sujeito chato que acha macacos, praia, carro, palhaços, tobogãs e feriados...um saco. Ele apóia todas as formas pagãs de adoração e é autor dos seguintes best-sellers “Manual de sobrevivência do escoteiro perneta”, “Mil e uma maneiras de se estragar um feriado cristão” e “Piadas anti-semitas para o seu Bar Mitzvah”.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

O caso do homem que dava só um pouquinho

Sei que muitos de vocês esperam com certo ardor pela continuação da Ingrata Saga de Skmoso ou como foi apelidada pelos críticos de arte, “O show de Skma – O show (da quase) vida”, ou ainda, nas palavras deste que vos fala, a Saga Negra Diabólica do Infeliz Amaldiçoado. Contudo, numa casualidade do destino me vi compelido a narrar esta trágica e hilariante história, o “Caso do homem que dava só um pouquinho”. Os eventos listados a seguir não poderiam ter acontecido em outro lugar que não fosse o palco do Superpop da malandrinha (ou seria jaggerzinha?) Luciana Gimenez.

Como bem mostra o título, se trata da vida de um homem, pai de família, esposo amoroso e cidadão pagador de impostos (eu não garanto nada) que tem como profissão atuar em filmes pornôs (como todo mundo que vai no programa). Mas não é qualquer filme, são filmes gays. E não é qualquer papel, ele só faz papel de passivo (isso mesmo que você leu). Agora me digam, ele merece ou não estar aqui?! Para completar o quadro de bizarrices, a mulher não só sabe que o cara tem esta árdua profissão, como é uma exigência dela que ele só “atue” como homens. Segundo ela, fazendo filmes com homens ele não estaria traindo, uma vez que ele não é gay e só faz “aquilo” por dinheiro (eu garanto menos ainda). Sinceramente, é tanta coisa junta que nem dá para começar a analisar...é de ficar boquiaberto (isso não foi uma piada de cunho homoerótico!).

Antes de mais nada, é importante ressaltar que este blog assim como seu autor são completamente a favor da pornografia em suas mais variadas modalidades desde o clássico Garganta Profunda até os mais ousados como A maratona anal de Mônica Mattos. E mesmo sem consumir do exemplo específico supracitado em que trabalha o personagem em questão, o Peristálticos garante que ele também é de vital relevância para o futuro do Pais tanto nas questões morais quanto na economia. Mais ou menos como o Democratas.

Pois bem, vamos logo as vias de fato. Não contente em mostrar na semana anterior o crossdresser – homem casado e totalmente heterossexual que tem como hobby andar por sua casa e até nas ruas vestido de mulher – o competente Superpop conseguiu se superar...mais uma vez. Tentando recuperar a audiência há muito perdida do extinto programa do Ratinho do SBT, Lucy e cia vem trazendo, semana a semana, casos cada vez mais bizarros, obscuros e acima de tudo ridículos de pessoas que de maneira nenhuma deveriam ser levadas a público. O crossdresser tudo bem, isso não é tao chocante, é até cultural, num nível ínfimo, claro. Mas esse tiozinho do filme pornô me deixou realmente de boca aberta (ops...novamente não há nenhuma conotação a uma provável pujança dos órgãos sexuais do indivíduo supracitado).

Para quem não conhece, este quadro em particular do Superpop consiste numa banca de 3 pessoas (3,5 se contar a apresentadora) que fazem a todo momento perguntas para os convidados, ou no popular, as aberrações da vez. Os entrevistadores eram um jornalista de fofocas (gay para não fugir do clichê), uma microcelebridade ex ou atual modelo e uma outra microcelebridade que mais tarde descobri que já foi também uma destas pessoas argüidas no programa. Isso porque aparentemente o marido dela a largou para ficar com uma atriz pornô...embora eu nunca tenha nem ouvido falar do ocorrido. E como não poderia faltar há também um “especialista” na história, no caso, uma terapeuta, só para completar o circo...dos horrores, diga-se de passagem.
O mote de todo o programa era justamente essa terapeuta, contratada pelo programa – como é importante ressaltar –, que dizia que a mulher estava muito infeliz com a situação e que ela deveria tomar “providencias imediatas”. Ignorando completamente a própria mulher que mesmo a contragosto entendia e aceitava a profissão do marido. Detalhe, eles já estão casados desde 2001. Em vão, a todo momento a mulher tentava argumentar com a “doutora”, dizendo que era aquilo que garantia o leitinho dos filhos dela. Ou seria, o leitinho do marido garantia o leitinho na boca dos filhos. Ou vice-versa.

Engraçado que qualquer pessoa com um mínimo de cérebro percebia que se formava uma espécie de complô anti-marido para tentar induzir uma separação ou no mínimo um barraco básico. Claro que tudo muito velado, ninguém dizia que o homem estava errado ou o que ela deveria pedir o divórcio. A tal da mulher tinha que perceber sozinha o quanto ela estava infeliz e miserável, coisa que ela não tinha feito ainda em 7 anos. Ele deveria ter uma epifania e tomar ciência da própria burrice milagrosamente só com os conselhos de Luciana Gimenez, o que dá um novo sentido para o termo ironia. E o melhor é que tudo caminhava realmente para esta direção, como era de se esperar. Mas aí algo inesperado aconteceu...



Como eu já estava meio enojado de tanta babaquice coloquei no CQC para assistir ao Top Five e assim experimentar um grau de babaquice um pouquinho menor. Só que na volta, para minha surpresa, tudo já estava bem. Aparentemente a esposa fez alguma grande declaração de amor e compreensão e os argüidores não tiveram outra escolha senão embarcar na dela. E quando eu digo (escrevo) embarcar, é literalmente cair de boca (sem duplos sentidos) nas idéias da mulher. O que se seguiu foi uma clássica cena de “vira-casacagem” das mais cascateiras e malandras de toda a minha vida. E olha que de cascata eu sou bom! Vide meu considerável número de amigos e minha total falta de habilidades sociais ou senso de confiabilidade. No caso do Superpop era um tal de “o amor supera todas as dificuldades” (Gimenez) e “você é realmente uma mulher obstinada que sabe o que quer” (microcelebridade n° 1) que não estavam no gibi. A microcelebridade n°2 até chorou. O melhor era a atitude da terapeuta que só faltou dizer, “eu sabia o tempo todo que ia dar certo, tava só te zoando”.

Não é o mundo que está perdido. É só a TV que quer tirar uma com a sua cara.

Parabéns Peristálticos!

Além de toda aquela frescura de nascimento do nosso Salvador blá, blá, blá... nesta semana se comemora o aniversário de 1 ano do grande Peristálticos, o verdadeiro blog das celebridades. Como falei anteriormente meu espírito megalomaníaco me impeliu a fazer uma aposta comigo mesmo só para ver se eu iria me ferrar. A parada consistia na multiplicação dos textos que se encontram aqui, agora 17. Todos eles seriam publicados hoje quando o mais infame dos diários virtuais completa seu primeiro verão.

No entanto, no alto de minha saberia franciscana percebi que ninguém nunca vai ler tanta coisa num dia. Ainda mais neste sistema de rolagem dos blogs (e da internet como um todo). Ninguém tem assunto e audiência para isso, nem mesmo aquele bonde dos jornalistas sérios tipo Marcelo Tas, Ricardo Noblat e o César Maia (esse quase chega perto, mas como não é jornalista e muito menos sério...a gente não conta). Pensando bem, o Tas também não é formado. Peral, nem eu. Então, deixa quieto.

Prevendo o enorme desastre que seria esta forma de publicação decidi alterá-la um pouco. Ao invés de 17 textos sem parar e sem vaselina. Irei dividir esta profusão verborrágica afim duma melhor apreciação de seu conteúdo. Em outras palavras, peidei legal.

Veja abaixo a programação de Aniversário do Peristálticos:

Hoje – Abertura dos trabalhos e O caso do homem que dava só um pouquinho
24/12 – Texto Surpresa Gigante e Megalomaníaco
25/12 – Janela de leitura para o texto surpresa gigante e Megalomaníaco
26/12 – Skmoso Begins, Parte II
27/12 – Primeiros textos sobre comemorações na FCS – cuidado piadas internas!!!
28/12 – The Stairway to heaven
29/12 – Programação indefinida
30/12 – Skmoso – A Origem do Mal, o fim da trilogia
31/12 – Feliz 2009! – As previsões de Pai Pedro Pé Preto
1/1 – Retrospectiva 2008, encerrando as comemorações.

Então me acompanhe nesta longa (e louca) jornada de produção textual alucinada. Porque quando o Peristálticos faz aniversário quem ganha é VOCÊ! Ou seja, meu eu-lírico.

sábado, 20 de dezembro de 2008

O belo segundo Messias

Durante minha volta para casa na última sexta-feira (19/12) ocoreu um encontro súbito e poderoso/influenciador. Sua força foi tão arrebatadora que o resultado é isto que lerão a seguir. Um texto escrito às pressas de um ônibus em movimento. Sobre um assunto inédito. Algo que nem eu sonhei em escrever, muito menos dessa forma. Provavelente, ao final desta leitura, quem me conhece ficará tão chocado quanto eu. E quem não conhece também deveria.


--------------------------------XOXO-----------------------------------------


Hoje fiquei maravilhado! Não, bem mais do que isso. Eu estava aturdido. Quase paralisado de choque. Porque pela primeira vez em minha vida pude presenciar o que se entende por beleza física. Obviamente estou falando de uma mulher. Ou talvez um pouco mais que isso. Acho que estava mais para uma ninfa ou então uma daquelas Musas mitológicas que só aparecem para os verdadeiros artistas (daí surgiu a expressão musa inspiradora que na verdade é uma grande redundância). Sem dúvida, ela era o exemplo perfeito de pessoa para a qual pessoas como eu dedicam sua arte. Ou toda uma vida. Dizem até que tais deusas, se pudessem ser vistas por outros mortais, trariam o caos, tamanha seria a disputa por seus encantos.


Só a vi por alguns instantes, parecendo perdida no ponto de ônibus. Eu ia para casa. Ela para uma espécie de encontro entre amigos. Digo isso por conta de seus trajes. Um vestido branco de verão, daqueles bem soltinhos, com suaves listras azuis e marrons. E para completar botoes verdes. Pensando bem, ela refletia mais a harmonia primaveril do que qualquer associação que pudesse ser feita a outra estação. Chega a ser aterradora a maneira como o branco daquelas vestes complementava a cor de sua pele visualmente macia. Quase tátil, mesmo a distância. Era como se eu estivesse diante da personificação da própria luz.



Além de sua beleza franca – sem nenhum excesso –, o que mais me chamou atenção era como seu efeito sobre minha pessoa era resultado da mais simples e perfeita combinação de elementos que era ela. Eu não ouvi sua voz, Nem mesmo tenho certeza de para onde ia. Só sei que esta pessoa me causou uma impressão que talvez nunca se apague. Seus cabelos ruivos, suas sardas e, principalmente, seu olhar de profundo aborrecimento. Como se o seu lugar não fosse ali. Como se ela não pertencesse a este mundo.

Contudo, meus amigos, não confundam estas palavras com amor ou qualquer afeição romântica. Muito menos, um retrato de lascívia. Esta é uma apreciação no seu sentido mais puro e simples. Como nas melhores obras de arte. Porém num nível diferente. Elevado. Sem conjecturas posteriores, sem pré-conceitos, sem necessidade de compreensão. Nenhuma mensagem a ser passada. Apenas a obra pelo que ela é. O supra-sumo da estética humana.

----------------------------------------------------------------------

The Post Scriptum section:

PS¹: Esse texto é realmente estranho e muito provavelmente não irá se repetir. Mas confesso que foi interessante (ou seria intrigante, ou seria instigante) escrevê-lo.

PSão²: O tão aguardado texto sobre o Skmoso fica para terça-feira quando este blog completa um ano de "vida" (calma, ele já está escrito não vou enrolar vocês). Neste dia tentarei cumprir a estapafurdia tarefa de dobrar o número de postagens. Claro, com muita malandragem.
Vejam pelo lado bom, se realmente conseguir isso, nunca mais irei precisar escrever algo aqui. Pelo menos até o próximo 23 de dezembro.

Até terça!!!

XOXO

PPS³: José Messias NÃO está apaixonado...











PPS¹²³: ...o que só prova o quanto ele é foda.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Brasil, quem te adora sem temer a própria morte?

Essa é uma faceta nova, nunca antes mostrada, o Zé patriota, nem mesmo eu sabia que existia...Espero que gostem....Só que ele ficou muito grande (para o tamanho de um blog), por isso tive que dividí-lo. Eu acho mais legal ler tudo de uma vez, mas quem quiser ler só uma parte não vai ter problema....A 1 é mais engraçada a 2 é mais emotiva....

Parte I

Estava eu no Centro Acadêmico (CA) de minha tão querida Faculdade de Comunicação Social, na Uerj. É neste sacrossanto local destinado somente ao alunado onde descanso após as longas aulas nas quais aprendo as mais belas e sábias palavras que eu não deveria ouvir e me são negadas as mais básicas noções do que fato deveria ser ensinado sob o pretexto de serem triviais e por isso inúteis. Não que eu reclame. De maneira nenhuma! Eu até gosto. Ou melhor, eu adoro e até preciso disso e de jeito nem maneira quero que se modifique. Mas enfim...

Como era de se esperar de um grupo de jovens universitários, estávamos discutindo sobre tudo....tudo o que de mais irrelevante nos viesse a cabeça, o que não é um conjunto pequeno de assuntos. Contudo, a bola da vez foi a Fórmula 1. Porque era isso o que estava no Nintendo 64 naquela hora. E embora não fossemos os estudantes mais brilhantes da face da Terra (perdemos apenas para aquele pessoal que ajuda o House), ainda assim, um assunto acabou levando a outro e o papo se prolongou. Na verdade, não tao longe assim. Foi para Lewis Hamilton e Galvão Bueno. Mais precisamente para o fato do segundo se recusar a torcer para o primeiro (considerado o melhor piloto por alguns da mesa) em favor de sua fé em Felipe Massa (que era apenas o brasileiro).
Deus sabe que como todo bom cidadão com dentição completa (e não necessariamente perfeita), repudio ferrenha e ardorosamente a figura deste jocoso locutor. Assim como suas transmissões com uma impressionante falta de apego a qualquer outra coisa que não seja o próprio Galvão Bueno. No entanto, tendo em vista o que estava em questão não posso deixar de concordar com a velha hiena (pseudo) jornalística.

Em meio a nossa roda de proeminentes intelectuais ou intelectuais emergentes, o burburinho foi causado quando um dentre nós, mais conhecido como Aquele que mora em Realengo, se pronunciou a favor do pobre Bem Amigo. Isso porque, apesar da minha séria discordância para com os ilustres colegas, este que vos fala preferiu permanecer calado, se lembrando do constante desastre que é tentar expor seus pensamentos em linguagem falada. De tal forma que, para minha pessoa, se mostra mais apropriado o uso da escrita em toda poderosa e sorrateira compleição.

E então, porque transformei esta simples contenda esportiva (se F1 for esporte) num caso de amor a nação? Porque simplesmente não consigo suportar a idéia de que alguém, um brasileiro (ou pelo menos que se julga como tal), prefira algo estrangeiro no que se refere a depositar a sua fé. E vejam bem, isso não se trata de gosto. Não é como preferir Beethoven a Villa-Lobos ou Strokes a Moptop. Pois nestes casos não há competição, o sucesso de um não implica no fracasso do outro. Para mim isso é tão absurdo quanto não defender o monopólio da Petrobras ou ser “carioca” e torcer para o São Paulo ( esses daí, eu quero que vão tomar no cu na casa do caralho na puta que os pariu)....

Parte II


Tentando explicar para mim mesmo de onde vinha esta súbita onda de Nacionalismo (com N maiúsculo por causa da intensidade), me lembrei de uma aula de Língua Portuguesa da sétima ou oitava série. Com minha estimada – e já falecida – Tia Beth (digo isso pois me recordo até hoje como ela detestava ser chamada de tia e como isso acabou não me deixando esquecê-la). Lembro também que na época ela fazia mestrado ou doutorado nesta minha amada Uerj com o grande catedrático Evanildo Bechara o qual ela elogiava horrores, ignorando completamente o fato de que ninguém fazia a menor de quem ele era.

A aula em questão era justamente sobre o Hino Nacional (não preciso dizer brasileiro pois escrever em letras maiúsculas significa que é o nosso mesmo) e suas complexas inversões. Sei que gostava muito dela exatamente por aulas como essa, pois mesmo já não sendo tão jovem, ela ensinava com tanta paixão e fé naquilo que dizia que não tenho dúvidas de foi ela a primeira responsável por eu ser aquilo que sou hoje (não que eu seja alguma coisa, mas é muito claro para mim que estou, pelo menos, no caminho certo). Sem mais delongas, o importante na tal aula sobre o Hino Nacional era não só a maneira desafiadora ( e ininteligível para alguns) como ele foi composto como também as belas palavras que lá estavam, e essas já me chamavam à atenção muito antes...

Para bem dizer, não tão antes, talvez na quinta série ou perto disso, mas estes anos parecem estar bem distantes de mim, mesmo tendo passado apenas nove desde o fim da quarta série. Nesta época os alunos que entravam no ginásio “formavam” todo o dia às 7 da manhã para ouvir o Hino. Nossa como sou velho, né?! Se eu contasse que ouvia o Hino todos os dias ninguém acreditaria...se bem que não me lembro direito se eram todos os dias mesmo. Ah, se eu contasse também que fiz parte duma coisa chamada Pelotão da Bandeira, acho as pessoas nem saberiam o que é... Por falar nisso, o Hino da Bandeira também não fica muito atrás...
”Salve o lindo pendão da Esperança/ Salve o símbolo augusto da paz (...) Recebe o afeto que se encerra em nosso peito juvenil/ Querido símbolo da terra/ Da amada terra do Brasil”

Engraçado que todo este espírito nacionalista não me levou ao alistamento nas Forças Armadas. Eu nem as considerava. Muito pelo contrário, sempre detestei a idéia de ser obrigado a servir ao País, ainda mais através de uma série de atividades físicas incessante, o que não faz nenhum sentido. Claro que naquela época eu não era tão culto quanto sou hoje, portanto não pensava exatamente como estou escrevendo (estava mais para um gordo preguiçoso do que um patriota intelectualizado). Mas este relato é mais uma romantização do que qualquer outra coisa, como o próprio patriotismo o é. Daí sua beleza.

Voltando finalmente ao Hino e a quinta série...mesmo não sendo tão lírico como sou hoje (acho que não era nem um pouco e agora sou só um pouco mais). Aquelas palavras despertaram certa sensibilidade em meu ser. Óbvio que não estou falando daquela parte totalmente dispensável e falaciosa do “Ouviram do Ipiranga...” que infelizmente é parte que todo mundo lembra. Digo mais, ele deveria começar no “Brasil, um sonho intenso, um raio vivido...”. Para a melhor parte está nas duas últimas estrofes, sem caô, que eu quase chorei (como agora) só com a intensidade desse negócio.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Por isso digo, posso não gostar de praia (ou qualquer tipo de paisagem natural), preferir música clássica ao samba e nem gostar muito de futebol, mas não tenho vergonha do chamado jeitinho brasileiro, desse nosso banditismo quase hereditário e muito menos do fato de não levarmos tudo tão a sério. Como disse no começo desta postagem, amo muito essas coisas imperfeitas que para mim não teriam a menor graça se não fossem do jeito que são. A graça está no efêmero da coisa.

OBS: Eu percebi que fiz uma grande digressão e quase não existe conexão entre o começo do texto e o final. Em minha defesa só posso dizer que me empolguei.

---------------------------xoxo---------------------------

1 - Não percam em breve o próximo post, Skmoso Begins, a parte dois de uma suposta trilogia...Assim que eu me recuperar da carga emocional de escrever este texto

2 - Dia 23 de dezembro eu comemoro um ano de Peristálticos...para celebrar a data vou tentar dobrar o número de postagens, isso mesmo vou lançar um texto para cada um que já estiver aqui...Até eu duvido! Ninguém tem tanta paciência para ler nem tanta para escrever, mas enfim...Promessa é dívida e eu devo não nego, pago quando eu quiser...

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Meu irmão imaginário

O post anterior era sobre gente de verdade que parece não existir, este, por outro lado, é sobre exatamente a mesma coisa – meu irmão e sua habilidade de desafiar as noções mais básicas de Física, Psicologia e de tudo aquilo que se entende por Fraternidade em geral.

Antes de mais nada gostaria de dizer que adoro meu irmão. Pode-se dizer, sem sombra de dúvida, que ele é o único homem já amei em toda a minha vida... sem contar o meu pai. E talvez o Obama ou o Maravilhoso Till Lindemann, vocalista do Magnifico Rammstein. Enfim, gosto muitíssimo de meu manuxo, exceto, claro, nas vezes que quero estripá-lo com um serrote enferrujado. O que não acontece muito, só umas duas vezes por semana. Levando em conta que a semana tem sete dias, até que o aturo bastante.

Como vocês podem perceber pelos meus posts, racionalidade não é o forte da família. E meu irmão não foge a regra. Só que no caso dele, a irracionalidade se trata de aplicar uma lógica predominantemente racional a todas as atividades de sua vida. E quando eu digo todas, são TODAS meeeeesmo. Um desses singelos exemplos de como meu irmão rege sua vida de uma maneira QUASE Vulcana# é, acreditem se quiserem, sua relação com a família. Isso mesmo, o único lugar onde as pessoas normais deixam de lado a pouca seriedade que possuem é justamente um dos aspectos da vida onde meu maninho mais exercita sua maneira fria de agir e pensar. E para explicar essa complexa relação só preciso de duas palavras...e uma oração, claro. Aí vai ela (essa não conta). Meu irmão certamente sente amor por seus entes queridos (pelo menos, eu espero), no entanto, ele não acha necessário demostrar afeto de qualquer forma seja qual for a pessoa, seja qual for a situação. É até bem engraçado, tendo em vista que isso só acontece na TV.

Daí, cheguei a conclusão que ele não existe ou pelo menos não deveria existir. Ele deve ser algum tipo de impossibilidade matemática como aquelas que geraram o Universo e a Vida na Terra. Ou, se eu acreditasse de verdade em Deus, diria que Ele estava muito ocupado com alguma rebelião no Céu ou simplesmente evitando que a humanidade se exterminasse pela sexta ou sétima vez para prestar atenção em algum ser humano em particular que viesse a nascer sem alguma característica básica como a capacidade de demostrar amor. Longe de mim, dizer que meu irmão é mau-feito ou algum tipo de anomalia produzida em laboratório para me espionar. Afinal, demonstro sinais clássicos de sociopatia, megalomania, esquizofrenia e compulsividade-obsessiva que são os ingredientes perfeitos para uma futuro líder mundial, dono de uma empresa multibilionária de computação ou roteirista de sucesso.

Vamos aos fatos, por mais bizarros que eles sejam.

Eu sei que meu irmão gosta dos meus pais e muito. E só sei disso porque ele obedece meticulosamente e sem nenhum questionamento qualquer ordem que eles dêem, mesmo que contrarie sua própria vontade ou o ofenda. Essa é sua forma de demonstrar amor e respeito. Ele não dá beijos, não dá abraços, não sorri, só fica obcecado em obedecer. Por mais estúpida ou arbitrária que seja a ordem, o que, de fato, acontece com os pais em geral. Como, por exemplo, você não vai sair porque vai chover. Ou, não vou te comprar aquele kit de Química porque você quer botar uma bomba caseira na porta do seu vizinho (o que em minha defesa, digo que só aconteceu uma vez).

Por outro lado, no que se refere a mim, ele age no intuito de menosprezar cada pequena ação que eu faça, esteja ela certa ou errada. Isso porque, na cabeça dele, ao me fazer o grande favor de não me ignorar ele já está demostrando amor o suficiente. Uma vez que o total e completo desprezo é sua atitude para com os outros.

Contudo, como eu disse lá em cima, ele é quase, só quase, Vulcano. Como Spock, seu extenso convívio com humanos fez que com que brotassem certos sentimentos sob sua armadura de inflexibilidade. Ao invés de reações mais calorosas, como no caso do imediato da Enterprise, meu irmão se voltou para o lado mais sádico da coisa. Na verdade, ele é todo sádico. O que me assusta muito, motivo pelo qual não pretendo que ele nunca veja este textículo. Fato que seria muito prejudicial a minha saúde, uma vez que sou a principal vítima de sua ações. Por exemplo, até em suas atividades mais primitivas: a obediência cega e a zombaria a minha pessoa, ele arranjou uma meio de se divertir. Porque assim ele mata dois coelhos com uma só cajadada. Ele não só cai nas graças de nossos pais que o protegem e o mimam muito além do normal para um filho caçula, como ele ainda me faz parecer um idiota/pateta perante eles (não que isso seja difícil, mas essa não é a questão).

Eu, por exemplo, tenho uma vasta noção do que seja a moral, os princípios, os princípios morais e demais regras da sociedade. Só que voluntariamente as ignoro em favor de valores mais altos como a liberdade de pensamento e a anarquia social, politica e cultural. Por sua vez, ele ignora tudo o que não tenha relação extremamente direta com a imediatez de sua vida e seus pequenos prazeres como me ridicularizar e ler mangás compulsivamente.

Esse é meu maninho...

Meu amigo Skmoso

Não sei se vocês já tiveram um amigo imaginário. Pelo menos eu nunca tive (tenho um irmão para essas coisas). Mas pensando bem, acho que o Skmoso conta como um. Pelo nome até parece que ele é de mentirinha, mas não. Ele tem mãe, avó, pai, padastro, primos, primas (yammi), cachorro, canário e até porquinhos-da-Índia (aliás, eles não são porcos e muito menos vem da Índia). De fato, ele é bem real – isso se o real existisse de fato – mas apesar de ser de carne-e-osso, eu atesto categoricamente, ele é meu amigo imaginário! Isso porque, a grande característica dos amigos imaginários, aquilo que os faz realmente ser o que são, é eles não serem amigos de mais ninguém.

#Ah, se você me disser que teve um amigo desses e ele tinha outro é simplesmente porque você tinha DOIS amigos imaginários [Deprimente!]. E se você me disser que seu amiguinho de verdade ou qualquer outra pessoa via o seu amigo de mentirinha isso se chama alucinação coletiva.

Não que o Skminha seja assim tão solitário, ele só parece ser, pelo menos para mim. Sei que isso soa muito triste, além de ser muito pretensioso de minha parte, mas não é necessariamente assim. Não que eu não seja pretensioso, se existe uma coisa que sou é isso. Mas como eu disse, ele só PARECE não ter outro amigo. No eixo familiar que eu saiba, ele tem uns dois, e no eixo ruar-bairrista ele tem mais uns cinco ou seis. Embora pareça pouco até que é bastante comparado a minha pessoa. Calma, eu tenho amigos, muitos até, só que nenhum no eixo familiar (tirando o meu irmão que é um caso a parte, na verdade, o próximo post é sobre ele) e menos ainda no eixo ruar-bairrista.

Mas voltando ao Skmoso, ele, sem dúvida, é uma figura bizarra – não num bom sentido que poderia ser aplicado a mim, por exemplo. A maior parte do seu tempo ele passa sozinho em seu quarto em Margaritaville. E não sai para nada, exceto ir para a Faculdade, para a academia e para seus cursos de francês e alemão (e ocasionais saídas noturnas com seus outros amiguinhos, sobre as quais não posso falar para poder proteger a integridade física e intelectual do ser em questão). Foras esses passeios noturnos, parece que ele é um grande C.D.F., ou algum tipo de Nerd que estuda, mas não. Muito pelo contrário, ele nem passa perto de ser inteligente. Pelo amor de Deus, ele estuda na Univercidade (urgh). Todavia, ele faz cursos na Aliança Francesa e no Goethe e vai muito bem neles, afinal ele não é um completo zero a esquerda. E mesmo estudando numa instituição sem nenhum prestígio ou currículo minimamente satisfatório – ele está cursando Relações Internacionais, o que é complicado em qualquer lugar – surpreendentemente ele é muito bom nisso, demonstrando uma dedicação que eu mesmo não tenho com minha aulas. Pois em menos de um ano, ele já fala tranqüilamente sobre Aristóteles, Hobbes, Platão e Celso Furtado como se fossem coisas corriqueiras do dia-a-dia. O que é um retrato bem diferente do seu Ensino Médio, coisa que eu e nossos demais colegas de classe do Mauzão Boladão podemos comprovar.

Se não bastasse essa formação acadêmica bastante peculiar, o próprio físico da criança já rende uma série histórias interessantes, para não dizer ridiculamente hilariantes. Primeiro, ele é baixinho e todo amigo imaginário que se presta ou é muito alto (forte), no caso das crianças baixas (fracas), ou muito baixo (fraco), no caso das crianças altas (fortes). Isso porque de certa forma os amigos de mentirinha parecem complementar a qualidades do indivíduo imaginador (que metido a psicologo, eu sou). Enfim, ele é de fato baixo, e não estou falando na minha escala (tenho 1,98), mas não escala de qualquer pessoa. E agora, ele deu para malhar, como disse anteriormente. Como também falei, embora ele não seja exatamente inteligente, ele é obsessivamente esforçado, o que causa seu rendimento escolar alto. E é essa mesma dedicação ele trouxe para seus hábitos “exercitórios”. O que resultaram num peitoral definido, bisseps e tríceps e “policeps” muito bem definidos e uma bela corcunda no lado esquerdo do seu corpo. Não que ele seja usuário de anabolizantes, só suplementos alimentares. Alguns proibidos no Brasil, é bem verdade, mas que pela Lei não são considerados anabolizantes. A tal corcunda vem do simples fato dele ser destro e nas palavras do próprio, não querer sobrecarregar o braço direito e acabar com uma deformidade (malandro, ele não?!).

A vida dessa figura é realmente inacreditável, tanto que vocês provavelmente vão pensar que eu a inventei. Coisa que confesso não ser capaz de fazer, não importa o quão talentoso eu seja, e olha que sou muuuuuuuuuuuuuuuuito talentoso, muito mesmo. Para se ter uma idéia, num período de trevas em sua vida, esse Sr. Meu amigo, fez chapinha no cabelo e ficou muito parecido com a Fátima Bernardes na época do alisamento japonês. Para ter uma idéia é só vocês imaginarem aquele filme “As Branquelas”, pronto, é isso sem tirar nem por. E isso veio do nada, ele não é emo e fez com intuito de pegar garotas (e o pior que ele conseguiu). Essa é uma situação suficientemente inusitada e esdrúxula para qualquer roteirista pensar, mesmo para os do Sul da Romênia ou da Croácia Setentrional que geraram filmes sobre aborto entre alienígenas e prostituição infantil masculina entre parentes.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Quase Famoso

2008 tem sido um ano muito engraçado...Na verdade, não é bem engraçado a palavra, eu queria dizer crucial na minha vida, mas isso soa muito pedante e também é lugar-comum.

Neste ano, avaliei e reavaliei meus passos nesta longa (não no meu caso) jornada chamada vida, isso desde que me entendo por gente (a partir da 1ª série ou um pouco depois) até minhas decisões profissionais como futuro formando em Jornalismo.

Tudo começou em março quando completei 20 anos e tentei enxergar em qual rumo meus pensamentos e ações estavam me levando. No início tudo isso ficou só na idéia, uma vez que eu estava fazendo um estágio barra-pesada num jornal de verdade. E a parte de realmente começar a pensar nisso foi só quando saí do estágio em maio.

Nessa hora, percebi tinha alcançado meu único sonho (além de dominar o mundo) e realmente não tinha mais nada para fazer da vida...Isso porque desde que decidi ser jornalista - assistindo a série do Superman e ao filme "Quase famosos" - que planejava viver a rotina de um jornal impresso, escrevendo, entrevistando, etc. E foi justamente isso o que fiz durante os 6 meses que antecederam maio de 2008, portanto eu já tinha vivido o meu sonho.

A partir daí, fazer o quê, então?

Pensando quais seriam meus passos de maio em diante é que escrevi aquela série de posts malucos sobre o Sentido da vida, os do outro Blog e até aquele do Orgulho Nerd...Preso nessa reviravolta de pensamentos veio o coma alcoólico e o que era para ser apenas uma reflexão profissional e pessoal (exterior) virou emocional e psicológica (interior). Não digo que entrei em depressão, mas fiquei apenas levemente deslocando. Sentia que estava vivendo apenas por viver (o que não mudou tanto assim, o que não é ruim em essência).

Pois justamente ao sentir esse vazio na alma que me lembrei do meu outro sonho, ser escritor. Não que eu tivesse esquecido dele, só que eu pensava que não tinha criatividade o suficiente para encher um livro inteiro. De fato, continuo achando isso, mas a diferença é que agora parei de pensar tanto no futuro, no caso o produto, o livro, e me voltei para o processo, a escrita em si (escrever é realmente maravilhoso!). Não que eu seja um escritor dedicado, sou bem preguiçoso, na verdade, mas ultimamente tenho tido umas idéias boas e acho que a coisa é mesmo por esse lado...Se bem que eu só escrevi uma página e meia para cada uma de minhas idéias de livros (ou roteiros de cinema, por que não?), mas acho que elas são bem interessantes e o principal, rendem. E quando vêm, os insights parecem ficar cada vez mais nítidos na minha cabeça. Com direito a trama central e até perfil psicológico de personagens. Nessa brincadeira eu já comecei umas 6 histórias, o único problema é que sempre que começo uma paro a outra. Espero que possa pelo menos dar um corpo a essa última de hoje, acho que é a melhor que já bolei.

Gostei tanto dela que fiz esse post. Mas não foi só isso que me inspirou hoje, parte da culpa deste textículo bizarro e disforme e do comentário de uma leitora de fora do meu círculo Uerj-amiguinhos de longa data no outro Blog. O que me deixou simplesmente extasiado.

PS: Esse post também é uma homenagem a entrada da minha miguxinha JeSsica na blogsfera....Vale lembrar, seu blog é igual que nem um tamagochi, se vocÊ não o alimentar ele morre xxx

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Carta a um jovem Sith


Como todo ser humano que se presa fiz e refiz várias vezes ao longo da vida uma listagem de tudo o que odeio. E como já era de se esperar, ela nunca diminuiu. E claro, desde o começo desta listinha que fazemos desde a pré-infância o número de coisas odiadas é sempre maior do que o de coisas queridas. E nem tente me dizer o contrário, porque não vou acreditar. Até Gandhi ou mesmo Jesus gostavam mais de menos coisas em comparação com aquelas que eles odiavam (uau...que frase foi essa). Tá, talvez não o grande JC, mas, com certeza, Gandhi.

Vamos ver... que eu saiba Jesus só não gostava do Diabo, do Pecado, dos Mercadores que vendiam no Templo, dos hipócritas, dos soberbos (categoria em que me incluo com muito gosto) e dos Falsos Profetas (culpado outra vez) e só. Se bem que não são tão poucos assim. Se ele viesse hoje também não gostaria da maioria das religiões (por causa da má gerência), da Internet, da TV Globo, do Vladimir Putin (do Bush acho que ele gostaria), da aceitação da viadagem, da camisinha, do Rock`n`roll e de outras cositas más como blogueiros que se acham muito espertos (soberbos)... Olha só, até que temos um número grande de elementos! Mas, só para quebrar a firma, temos que levar em conta que Ele ama toda humanidade, todos os seres viventes e ainda consegue amar àqueles que não gosta. Assim, podemos dizer que Jesus realmente é o único que tem mais prós do que contras em sua listagem de tudo o que existe.

No entanto, essa é a minha história, e ela é sobre minha constante necessidade de me expressar (de novo). Sei que já escrevi sobre isso, mas realmente estou num clima de sair contando tudo. Todas as paradas que me apurrinham, tudo o que me inquieta, botar para fora mesmo, tudo de uma vez.

Sendo assim, a primeira das coisas que me emputece profundamente é a Humanidade. Não
que eu me importe com o caminho de autodestruição que o Homem vem trilhando. Quem sou eu para julgar alguém?! Afinal, faço parte desta humanidade, também sofro e me regozijo com esta Condição humana. E, acima de tudo, quando o assunto é autodestruição, ninguém me supera. Definitivamente não é isso que me irrita, muito pelo contrário, é isso que me faz sentir orgulho de ser humano. É isso que me diferencia do leão, do chimpazé, do ornitorrinco, das árvores...

Para mim, o mais belo do homem é justamente sua capacidade de negligenciar sua própria subsistência em favor de seus prazeres. É por isso que fumamos, bebemos, comemos e fodemos adoidado (alguns mais do que outros). E o mais lindo disso, é quando em dado momento somos impedidos de cumprir esta nossa missão natural (e até divina), seja por nós mesmos e nossa racionalidade, seja por conta de outros, nosso mecanismo de defesa natural nos diz que há algo errado. Nossa vida não é como deveria ser. E assim ficamos deprimidos.

Então, o que me desagrada na Humanidade?! Simples, a culpa, o arrependimento e tudo o que vem atrelado a estes valores tão anti-naturais que nos levam ao desespero. Sinceramente, é muito brochante assistir a covardia com que certas pessoas vivem a vida, e como isso tem se tornado o status quo da sociedade contemporânea. Não que eu siga a risca tudo isso que prego tão apaixonadamente. Isso simplesmente não é possível tendo em vista a conjuntura atual. Pois como diz o ditado, num mundo de loucos, os homens sãos é que vão para o manicômios.

Hoje, a moderação é pregada ao invés da liberdade total e irrestrita. Não necessariamente quanto aos atos (não estamos prontos ainda), mas fundamentalmente com relação aos pensamentos. No dia em que nos sentirmos livres para pensarmos o que quisermos, sem julgamentos, sem poréns, teremos alcançado em parte a verdadeira liberdade. E assim estaremos mais próximos de Deus.



Ao invés de ficar enchendo o meu saco dizendo para poupar água, comer menos, beber menos, usar camisinha, não desperdiçar, etc, as pessoas deviam se preocupar em ler mais, estudar mais, se divertir mais, apreciar mais (qualquer coisa serve), enfim, viver “verdadeiramente” de forma consciente. Porque as pequenas coisas que valem a pena na vida não são tão raras nem tão difíceis de se achar e muito menos precisam ser preservadas. A felicidade está nos pequenos vícios de cada dia, nos pequenos momentos de prazer egoísta, na Desregração Consciente.

José Messias não é contra as formas de governo nem contra a cordialidade entre os homens. Ele só não gosta de (muita) hipocrisia, chatice e pessoas que gostam de dizer para os outras o que fazer, principalmente quando é para o “bem” delas...

---------------------------xxxxx--------------------------

Espero que tenham gostado deste textyo tão feliz e divertido...
Como diria, Alessandro filho do Meleca, "Fé em Deus e nas crianças da favela"!
Fui!

domingo, 9 de novembro de 2008

A todo vapor

Movido por minha inabalável inveja ao ver Mari às voltas com seu blog de demasiada profusão verborrágica (precisa de dicionario, clique aqui), com quase 3,4 posts/segundo. Assim como Kiko, resolvi sair para brincar com minha enorme bola, ou melhor, blog. Porém, como todo jornalista iniciante, ainda não dominei a arte de fazer um texto sem nada minimamente relevante para contar, como fazem os mestres David Brasil, Patrícia Kogut, Luciano Hulk, Cesar Maia, Pedro Bial, Renato Maurício Prado, entre outros.

Por isso, vendo como o Blog da Mari é divertido pensei em falar do meu cotidiano. Mas ai me lembrei que não sou uma garota bonita, bem-sucedida, na fina flor de seus 22 anos (partidão, né?!). Na verdade, sou bem o oposto, o que faz do meu cotidiano a coisa mais inacreditavelmente deprimente, repulsiva e sem-graça. Para se ter uma idéia, só durante os breves momentos (horas) em que escrevo este texto já vi 26 bundas e “afins” em mais de cinco sites pornográficos da República Tcheca, passei cantadas sem sucesso em 4 “garotas” no bate-papo da UOL (até 14 anos) e ainda compus uma poesia sobre uma mulher bonita que sorriu para mim (eu tava com feijão no dente). How sad is that?! (para tradução clique aqui)

Uma vez que não podia escrever sobre o meu cotidiano só me restou uma opção: falar sobre aquilo que fiz/pensei de diferente. Para minha surpresa, Deus decidiu não me sacanear muito e a musa inspiradora finalmente subiu o morro. Ou seja, vou continuar soltando uma série de textos aleatórios sobre coisas que só eu acho interessantes, como fiz na quinta-feira (e como sempre faço), só que agora sem o enorme hiato.

Peristálticos full throttle! (tradução)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Desabafo

“Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso dessa vida preciso demais desabafar...”

Poxa, tanto tempo sem escrever aqui, né?! Parece até que abandonei vocês, meu fiéis leitores. Mas não, muito pelo contrário, tava só com preguiça. E para mim, preguiça é coisa muito séria!!!

Durante esses meses que estive fora da blogsfera aconteceram milhares de coisas na minha vida. Fui para Natal, o que daria uma boa série de textos (a propósito, não gostei de lá). Cobri o Festival do Rio, onde assisti vários filmes muito bizarros e outros só um pouco (tudo por escolha própria). Desmaiei pela primeira vez na minha vida (sem estar relacionada ao alcool) e ainda levei meus primeiros pontos. Tudo isso num hospital público, o que certamente renderia boas tiradas de minha parte (Afinal, eu não tenho uma veia cômica, mas uma carótida inteira).

Ah, também cobri o Tim Festival sobre o qual poderia escrever uma série de ironias a respeito da juventude carioca...aquela que mora no Upper East Side daqui. Deixei de comentar a eleição municipal mais engraçada dos últimos anos. E agora, provavelmente, não vou falar da eleição americana que muito me interessa por causa de toda aquela história do primeiro presidente negro e tals. Aliás, dava para fazer um perfil comentado do Barack Obama muito phoda...mas isso são outros 500. Pois mesmo com todos esses assuntos assaz interessantes, só o que me levou a escrever este pequenino textículo foi a tal música do Marcelo D2 (e olha que eu nem gosto do cara...musicalmente falando).



Isso porque esse trem que chamo de preguiça seria mais acertadamente uma total e completa falta de motivação. Algo que está mais ligado ao estado psicológico do que ao físico. Eu simplesmente não tenho vontade de fazer nada. Ou como diriam meus gurus do Rammstein, “Ich Habe Keine Lust”. Na verdade, a música dessa banda alemã (minha favorita em todo o universo e beyond) traduziria perfeitamente esse meu “estado de espírito”, se ao menos eu acreditasse nessa coisa de espírito.

Mas calma, não sou depressivo, muito menos suicida, eu só não gosto de fazer coisas. Ou melhor, sou avesso a idéia de começar qualquer tipo de ação. Menos uma, assistir. Também leio e escrevo, mas não na mesma proporção, na verdade, para que eu faça alguma dessas coisas é necessário algum tipo de efemeride, de evento exterior que inquiete minha “alma” a ponto de me motivar. O que é bem dificil. Mesmo agora, o que me faz escrever é o refrão de uma música cantada numa voz praticamente hipnótica. “Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar”. E só porque essa mulher me disse (enquanto ASSISTIA o clipe) é que me veio a inspiração deste artigo. Foi quase como uma mensagem subliminar.

Confesso que além do refrão, outro motivo me tirou dessa minha inércia mental. Semana passada comprei um notebook, o que possibilita escrever diretamente do banheiro, o que estou fazendo nete momento. Acontece que minha verdadeira inspiração só vem nessas horas de resguardo e meditação, aliás, daí também vem o nome do blog. Afinal, por que mais ele se chamaria Peristalticos?!


Bom, espero que tenham gostado deste “desabafo”, pois eu fiquei aliviado.

Obrigado por lerem este depreciável blog.

Voltem sempre!!

domingo, 17 de agosto de 2008

O Guia do Nerd Brasileiro

O texto a seguir é de responsabilidade de seu idealizador, ou seja, Alexandre Nardoni. Zé Messias é apenas um pseudônimo randômico escolhido ao acaso e não tem nenhuma relação com o ilustre, brilhante (e gostoso) estudante de Jornalismo da Uerj. As idéias utilizadas abaixo são uma espécie de compilação de relatos de terceiros (como o compadre Enio – o filósofo e não o compositor) e opiniões deste que vos fala (A.N.) e podem ou não refletir inteiramente as opiniões da comunidade Nerd.

-----------------------------XXXXXXXXXXX---------------------------------------------


Cansado de ser confundido na rua ou na roda de amigos? Farto de não ser entendido pelos seus pais? Revoltado por ter sido mandado para o psicólogo (terapeuta, psiquiatra) sem motivo? Então, meu garoto (a), seu lugar é aqui. Se você quer ser compreendido, mas sem deixar de lado seus preciosos antidepressivos você está no lugar certo. Afinal, você chegou a mesma conclusão que eu, se é para rotular pelo que se faça direito!

No entanto, este texto não é para você meu amigo ou amiga Nerd, que, espero eu, saiba bem o que é. Dedico meu pequeno texticulo aos “infiéis”....ou “não-nerds”. Eles são um todo, eles são a massa, eles são a classe dominante. Pode ser seu pai, sua mãe, seu melhor amigo (o que seria um caso raro), sua professora, ou até aquela menina (o) que você gosta (e nunca vai contar! [coisa que explicarei a seguir]).
Este texto é o reflexo de anos de meditação e estudo, ele tem uma pequena e simples função: revolucionar o campo das pesquisas sociológicas e antropológicas para todo o sempre.

Meu nome é Zé Messias, sou Nerd Apostólico da Divina Revelação 3D e vim trazer luz aonde havia trevas, iluminar o caminho dos perdidos e trazer dos mortos aqueles os desistentes. Porque ser Nerd no Brasil é duro e a função deste texto é fazer a classe dominante entender isso.

Logo de cara me vem a cabeça a maior luta do Movimento o chamado “Porra, eu não sou CDF!!!”. Sim, porque não sei se você sabe, mas uma coisa não tem nada a ver com a outra (mais explicações a frente. Afinal, é bem melhor dizer o que somos ao invés de falar o que não somos).


NERD
– Segundo o digníssimo dicionário inglês-português Babylon®, o termo remete aos chatos, pessoas incômodas, rechaçadas pela sociedade. Enfim, os párias. Mas por que esta distinção entre nós e os “seres humanos comuns”? Simples. Porque Nerd, no dicionários Zé Messias de maneirismos e gírias, significa nada mais nada menos que diferente ou até mesmo estranho (isso num sentido positivo e não no sentido de bizarro). Os integrantes do Movimento apresentam características únicas que só podem ser verdadeiramente compreendidas e/ou apreciados por quem é do metiê.

Nos true Nerds, as principais qualidades são: hobbies bem específicos (beeem meesmo), certo grau de isolamento do mundo não-nerd, propensão a ser vitima de bullying e outros tipos de embaraço, e claro, grau de contato com o sexo oposto zero ou menor. Os espécimes mais clássicos da casta mais nobre da sociedade são: o viciado em HQ’s (histórias em quadrinhos – se não sabe isso se mata), o viciado em games, o otaku (entusiasta da cultura japonesa), o cibernerd (pessoa que abdica da vida social para ficar na frente do PC) e o viciado em literatura fantástica (RPG’s, Senhor dos Anéis, Harry Potter [HP], Eragon, etc – também conhecidos como Nerds pioneiros ou peregrinos). Há algumas vertentes menos comuns no País, como o Geek - o viciado em computação ou tecnologia como um todo –, e o Trekkie e o Jedi, fãs dos filmes Jornada nas Estrelas e Guerra nas Estrelas, respectivamente.

Não podemos nos esquecer dos transgeneros, os Nerds híbridos que se interessam por diversas áreas ao mesmo sem conseguir apontar uma vertente com sendo a melhor. Digo isso, pois a natureza abrangente dos diversos segmentos faz com que sejam comuns os que se interessam por mais de uma área. Porém, os não-transgeneros geralmente possuem uma preferência definida. Existem ainda níveis de intensidade da chamada nerdice ou do inglês nerdness, desde o 1 onde se encaixam os chamados Entendidos e o 10, o Google Nerd.

Agora, após esta brilhante descrição do que seja o Movimento e seus principais atores sociais vamos a bendita da diferença entre CDF e NERD.

Enquanto Nerd é tudo aquilo que falei ai em cima, o termo CDF tem a ver simplesmente com o desempenho escolar do indivíduo, nada mais. Por este motivo, recorrendo a epistemologia da sigla temos Cérebro De Ferro. Toda a confusão começou por causa das características similares de ambas as classes como a reclusão e a falta de contato com o sexo oposto. Contudo, nunca foi algo característico dos Nerds o desempenho escolar fora do normal, pelo contrário, graças ao gene especial da preguiça nº 666, seu desempenho sempre beira o mediano. No entanto, é necessário deixar claro que os Nerds são inteligentíssimos e podem até ser bons alunos (em raras exceções), mas eles preferem usar habilidades em algo mais produtivo (para eles). Por exemplo, cálculos de RPG, aprender japonês sozinho, decorar nomes de personagens e não se perder em meio às consecutivas Crises Infinitas (nem eu entendo esse baguio), Guerras Civis, etc.

Assim, não venha me encher o saco se eu mandar você tomar no cu ou se foder se por acaso você não leu meu blog a culpa não é minha, oras. Nos próximos textos pretendo falar mais sobre a Causa e suas brigas homéricas como Nerds versus Cults e também falar das minhas questões favoritas: “O que é o Conselho Nerd?” e “Quem seria o Deus Nerd?”.

Bye, bye...XOXO



----------------------------------XXXXX----------------------------------------------

Zé Messias é um renomado autor de Best-sellers como “Nas margens do Rio de Barro sentei e caguei”, o “Japão e sua (louca) cultura” e “Mordor, sua cultura e sua gente – um ensaio sobre a beleza da desolação”.

Zé Messias também é um grande conhecedor das coisas profundas (mas não no sentido que ele queria).

quinta-feira, 24 de julho de 2008

O que te faz sentir realmente vivo?


Nessa época de férias, sem porra nenhuma para fazer exceto coçar o saco (não exatamente coçar e não exatamente o saco) e assistir Malhação (sou sou eu que acho essa Angelina chata para caralho?!), decidi começar a pensar no sentido da vida. Coisa que todo mundo faz quando está entediado, não?!

Só que olhando o título sei que você, o leitor mala que sempre vem me encher o saco, vai pensar: “isso não é a mesma coisa. Esse maluco tá fazendo propaganda enganosa. Vou meter um processo nessa bunda gorda dele”. E a isso eu respondo: “após exaustiva e profunda meditação nos cinco picos de Rosan (hum que delícia), descobri que a opinião dos leitores NÃO FAZ a mínima diferença. E quem quiser falar alguma coisa que escreva seu próprio blog autobiográfico”.

Voltando a questão da Vida, do Universo e Tudo Mais... Como todo bom pensador que se dispõe a filosofar sobre o assunto, percebi que a resposta dada para este tipo de pergunta sempre é turva, ambígua e muita das vezes insatisfatória (assim como a vida de quem pergunta). Por isso, num esforço sobre-humano para esclarecer de uma vez por todas essa bagaça, vou tentar reduzir tudo a uma coisa simples, umas cinco frases bem curtinhas que qualquer idiota (como eu e você) possa ler. So be it...

Mas o que é a vida? Esse é um bom ponto de partida para quem quer saber qual seu sentido ou simplesmente saber como fazer um bom uso dela. Pois eu vou dar a resposta do escritor: a vida é como uma grande folha em branco, não é feita de um papel nobre, às vezes até amassado e um pouco rabiscadinho ele já está, mas mesmo assim cabe exclusivamente a você fazer o que bem entender dele. Alguns escrevem lindos poemas de amor, uns nos atordoam com histórias sangrentas e amedrontadoras, enquanto outros fazem coisas profundamente tristes e solitárias. Porém, sempre tem aquele ser único entre milhões que pega a porra do papel e, só de sacanagem, faz um aviãozinho. Claro que não há nenhum problema com nenhuma dessas versões. São todas bastante aceitáveis e “viviveis”, desde que sejam escolhidas e não “empurradas”. Ou seja, cada um tem sua folhinha e escolhe o que fazer com ela segundo sua própria vontade, mesmo que ela seja dar para outro infeliz decidir no seu lugar ou simplesmente limpar a bunda (opção que mais gosto :D).


A partir daqui, tendo definindo o que seja A Vida, nos vem a segunda questão: como fazer bom uso da vida que temos? Antes disso, uma coisinha que descobri sobre a vida: ela não tem nada a ver com aquela baboseira de ficar com “aqueles que você verdadeiramente ama”. Isso é um monte de merda inventada por alguém muito sem-graça e também sem nenhum pingo de imaginação e intelecto (o que me faz lembrar novamente da Angelina da Malhação). Por que digo isso? Simples, porque nunca que o ser humano, o algo mais complexo já feito, vai se contentar com um prazer tão ridículo e fácil de se alcançar...e não tô falando isso só porque tenho pais que me amam (surpreendente, não?) e uma porrada de amigos (mais surpreendente ainda). Falo isso porque o chamado “verdadeiro amor” não é uma coisa tão impossível assim. É só depositar essa coisa toda que você sempre sentiu por você mesmo em outra pessoa, nada demais. E como “essa coisa toda que você sempre sentiu por você” é muito pesada para ficar do lado de dentro, as pessoas acabam liberando-A todo dia, a toda hora, sem nem perceberem. A única diferença é que com o Verdadeiro Amor, se despeja tudo de uma vez só (o que me lembra de um filme que vi certa vez. Não era com a Angelina da Malhação, na verdade não tinha nenhuma atriz conhecida, pelo menos não pelas pessoas de bem).

Pois bem, mesmo que essa historia de amor e tudo mais não tenha necessariamente a ver com o sentido da vida e todos os seus significados, uma coisa bem próxima tem...ela é o desejo, o tesão. Não no sentido bíblico, termo muito esquisito se nós formos pensar que ele expressa justamente o contrário do que deveria, mas no sentido de nossas mínimas vontades e paixões, bem como o velho papi Nietzsche queria dizer. Viver é querer.

Mas esperem, não é só isso. Agora que a gente descobriu o que é viver, vamos a segunda proposição dessa joça: “qual o sentido da vida?”. Ora, o sentido da vida não é outro senão obter o que a gente quer, alcançar nosso (s) objeto (s) de desejo, satisfazer nossas vontades, etc. Tem coisa mais simples do que isso?!
Claro que não! Só que isso não é tão simples. E aqui de novo entra aquele leitor mala que não assiste a Globo e, portanto, não está acostumado a aceitar tudo passivamente (maldita juventude pensante!). Sei até o que ele vai dizer: “e as pessoas que nunca alcançam o que desejam, nunca vão ser verdadeiramente felizes?”. Ao que respondo: Não, definitivamente não. Uma coisa que ele talvez não perceba é que ninguém realmente chega num estágio de achar o que está procurando. Viver é querer e não conseguir o que se quer, a graça está justamente na busca ininterrupta.

E nesse ponto entra o leitor mais inteligente do que o anterior e fala:

– Dã, para saber isso você só precisa ser um filósofo (ou puta) de beira de estrada, ter vivido até os 60, perdido um ente querido, vivido um amor impossível ou ter assistido a Forrest Gump, Top Gun e Cidade dos Anjos. E existem milhares de blogs de pessoas que já fizeram essas coisas e falaram sobre isso.

E nessa hora eu fico puto e respondo:

– Seu merdinha que se acha muito esperto só porque leu todos os livros que eu só disse que li. Fique sabendo que ainda não acabei o texto e se você fizer a gentileza de acabar de ler vai saber do que eu tô falando.

Enfim, o motivo de toda essa história e essa conversa entre o meu subconsciente e o inconsciente ou qualquer merda que o valha é apenas porque não consegui uma resposta satisfatória para pergunta lá de cima: O que te faz sentir vivo? Isso porque eu não consegui ainda achar algo que eu queira o suficiente para se tornar o sentido da minha vida. Realmente não há nada que eu queira tanto, nem algo sem o qual eu não viva.

E não vale dizer que escrever é o sentido da minha vida, porque, francamente, é necessário um objeto, algo sobre o que escrever, ou um objetivo para a escrita. Coisa que não tenho (ainda). Atualmente, sou como uma puta, faço as coisas por dinheiro (essa frase dá muito orgulho a minha mãe)! Mas e depois, quando eu tiver mesmerizado a todos com a minha habilidade literária, o que farei? E esse é o novo dilema: como alguém que não quer nada se sente verdadeiramente vivo?


Não que eu não tenha ataques de felicidade instantânea quando alguém faz um elogio sobre algo que escrevo, ou simplesmente se dá ao trabalho de ler. Mas isso é muito pouco. Assim como as inúmeras mulheres de meu tio, quero mais, sempre mais. Por sinal, outra coisa bem normal do ser humano, não se sentir realizado nunca... Será que é esse o meu problema? Cheguei numa fase que nada me satisfaz, mas é tão cedo: ainda não tive o filho que sei que não vai ser nada do que planejei, nem fracassei em tentar dominar o mundo, nem matei e torturei todos os inimigos que não fiz, nem tive uma overdose cheirando cocaína nos seios de uma bela mulata... Enfim, não fiz nada do que prometi aos 10 anos que faria quando chegasse aos 20. Aí, aí, aí...eu não sou muito novo para estar desiludido?!
-----------------------------------xxxxx-------------------------------------------


Zé messias é um proeminente cineasta romeno, membro ativo do Sindicato dos Carteiros e funcionários dos Correios, acionista do banco Opportunity, telespectador assíduo da sessão do descarrego e ouvinte de bandas como Radiohead e The Smiths. Além disso, ele é autor de best-sellers como “Vai dar bom-dia para a sua vó”, “O guia do nerd brasileiro” e “Sua mãe e o Orkut – coisas que você não quer conhecer mas é obrigado”.

domingo, 22 de junho de 2008

Beber, Cair, Levantar: o declínio de um mito

Olá, meu nome é Zé Messias*, e (a partir de agora) eu sou um alcoólatra...ueba!!!!



Primeiro, desculpa o susto gente. Sabe como é, né?! Cerveja, vodka, tequila e arrogância, uma mistura perigosa. A história da arrogância é por causa do gummy. Achei ele tão fraquinho que tive que dar uma “incorporada”. Sempre pedia ao garçom: “ei, garçom! Não você, o fortão bonitinho, coloca aí meio de gummy e meio de vodka pura”. O que se repetiu umas seis vezes, com a única diferença de eu ter começado a achar o outro barman bonitinho também.

Ah é, esqueci que nem todo mundo que tem internet tava ontem (21/06) na Chopada da Comunicação da Uerj, onde estudo...mas deu para ter uma idéia pelo que escrevi aí em cima, né? Tive apenas um leve coma alcoólico, nada de mais....

E por falar nisso, olhem só como foi...eu acordei só por volta das 09h30 no meio de uma tomografia. Parece que eles queriam saber se eu tava com alguma coisa na cabeça. Mal eles sabiam que não tinha mais nada lá, porque meus neurônios, que estão em Estado de Greve, fizeram uma paralisação justamente na noite de sábado. Como eu sou um maldito porco capitalista tratei de contratar uns fura-greves para substituí-los, os destilados e maltados.

Ah, esqueci de contar o mais legal...eu ainda estava bêbado quando eu acordei, tanto é que eu mijei nas calças no corredor do hospital (na frente da minha mommy), o que realmente não foi muito divertido. Só sei que a partir de agora nada de álcool para mim, só quero saber de coisas naturais, chás de ERVAS e coisas desse tipo...

E o pior é que eu acordei sem camisa e sem a fivela do meu cinto. Essa última provavelmente retirada por causa da tomografia, só que não lembraram de devolver e eu, obviamente alterado, não tava lembrava nem como eu fui parar no hospital em primeiro lugar. Só fiquei sabendo, seis horas mais tarde quando li na comunidade da FCS que eu tava bem, o que me deixou profundamente aliviado.


Antes de terminar, só quero dizer que o Sr. Selésio (a quem estimo muito), não vai mais poder falar mal do Livio, porque ele definitivamente perdeu a fama de antipático, arrogante, ladrão, bicha, maconheiro ou o que seja...Ele e todo o pessoal que me ajudou, que eu nem sei quem foi (tô zoando), foram super cuidadosos e cortaram um dobrado por este ser vil que vos fala que ainda por cima vem aqui e faz piadas sobre o caso...e o pior, piadas muito sem graça que até o pessoal do Zorra Total faria. Gente, eu não mereço vocês. Thanks, love you all!

De-ta-lhe, a minha mãe falando para mim, já em casa: “Dois amigos seus estavam no hospital, o Bernardo e um tal de Lipidio”. Nessa hora tive um ataque de riso e quase voltei para o hospital ...


Hugs and kisses.. XOXO


PS: Não percam o texto sobre a chopada no próximo post. Eu não estava lá, mas eu vi tudo.



*Zé Messias
é um sujeito muito arrependido, e que, a partir de hoje, promete nunca mais encostar uma gota de álcool na boca. Ou nas palavras de sua querida calourinha Maria Luisa, vou parar de “encher o cu de cachaça”. Falando nele...é melhor deixar quieto. Além disso tudo, Messias é um autor de Best-sellers como “O efeito Cabrini”, “A droga na obediência” e “Se seu pai já fez então pode”.